Sindicato do Jazz

 

Kessel nasceu no dia 17 de outubro de 1923, em Muskogee, Oklahoma.

 

Autodidata, aos 14 anos descobriu o jazz e se apaixonou pelo estilo de Charlie Christian, que na época fazia bastante sucesso no sexteto de Benny Goodman.

 

Em 1950 participou do projeto Jazz At The Philharmonic, por lá tocou com o pianista Oscar Peterson, que em 1952 o convidou a integrar seu trio, cujo baixista era o infalível Ray Brown.

 

Barney ficou mais conhecido no Brasil pelo trabalho de arranjador no álbum “Julie Is Her Name”, de Julie London, gravado entre outubro de 1955 e janeiro de 1956.

 

Em 1957, pela Contemporary, lançou o disco “The Poll Winners”. Nesse álbum encontramos uma das mais duradouras parcerias da história do jazz com o baixista Ray Brown, seu velho parceiro no trio de Oscar Peterson, e o baterista Shelly Manne.

 

O trio parece resgatar a essência do jazz em ascensão naquela época. A excelência técnica de todos os músicos é inquestionável.

 

Gravado em duas sessões, nos dias 18 e 19 de março de 1957, foi o primeiro álbum do trio, uma estréia repleta de improvisos e música viva. Kessel contava com apenas 33 anos, Ray Brown com 30 anos e o mais experiente Shelly Manne em seus 36 anos.

 

Nesse disco é possível perceber um repertório variado que mescla standards do jazz, uma composição de Ray e Kessel e baladas empolgantes.

 

Satin Doll e Jordu são alguns exemplos de como se pode interpretar canções com um ritimo envolvente e dançante.

 

Shelly, Kessel e Ray conseguem aproveitar os espaços entre as melodias para criarem solos agradáveis. O dedilhado rápido de Kessel instiga o ouvinte a pensar em outro instrumento além da guitarra ou até mesmo que há outra guitarra em cena, a levada suave de Ray no baixo traça o caminho seguro para solos profundos e admiráveis e ao fundo Shelly aproveita o embalo para lançar algumas batidas inusitadas, delicadas e precisas.

 

Enfim, um disco cheio de agradáveis surpresas.

 

Barney sofreu um AVC em 1992 e a partir desse fatídico dia a morte foi uma questão de tempo, faleceu em casa, no dia 06 de maio de 2004, devido a um câncer no cérebro, em San Diego, Califórnia.

 

Ray Brown tocava seu jazz com um prazer pacional, praticamente morreu sobre o palco, durante uma apresentação, em Indianápolis, no dia 02 de julho de 2002.

 

Com Shelly o destino não foi diferente, ele faleceu no dia 26 de setembro de 1984, após sofrer um ataque cardíaco fulminante. Duas semanas antes, havia recebido da cidade de Los Angeles um tributo: o dia 09 de setembro foi declarado “Shelly Manne Day”.
 

Vídeo: One Mint Julep, 1964.

 

Músicas:

01. Jordu

02. Satin Doll

03. It Could Happen to You

04. Mean to Me

05. Don’t Worry ‘Bout Me

06. Green Dolphin Street

07. You Go to My Head

08. Minor Mood

09. Nagasaki

 

 

Músicos:

Barney Kessel (guitarra)

Shelly Manne (bateria)

Ray Brown (baixo)

 

 

Ouça abaixo o programa na íntegra.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × 4 =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Comente e Compartilhe nas Redes Sociais!